Lesiones posteriores del muslo: reducción del riesgo con pruebas de bajo costo

Publicado en
Lesões de Posterior de Coxa: Reduzindo o Risco com Testes de Baixo Custo

Estiramentos musculares, contraturas, desequilíbrios e sobrecargas no joelho são algumas das razões que podem levar a uma lesão de posterior de coxa. A posterior de coxa ocorre muito em atletas. Principalmente os que trabalham com posições não muito funcionais, como corredores e esquiadores. Contudo, a maioria das lesões de posterior de coxa se dá pelos desequilíbrios de força.

Os desequilíbrios são a grande causa da posterior de coxa pois, a diferença de força em uma musculatura impacta as articulações ao redor. Fazendo com que elas se esforcem mais do que aguentam. Assim, elas acabam sofrendo um estiramento ou uma contratura.

A prevenção é possível?

Sim. Por se tratar de uma lesão puramente muscular, existem várias maneiras de preveni-la.

  • Aquecer e alongar a musculatura;
  • Trabalhar frequentemente a musculatura;
  • Redobrar os cuidados em caso que o atleta trabalhe muito com exercícios explosivos e de tiros;
  • Por fim, e talvez um dos mais importantes, fortalecer e focar em treinos de simetria para os isquiotibiais, adutores, abdutores, rotadores e o quadríceps.

Além disso, o mais interessante é que para a lesão de posterior de coxa já existem diversas técnicas e tecnologias de baixo custo que auxiliem na redução de risco dela acontecer.

Prevenção de baixo custo

Uma das técnicas desenvolvidas nos últimos anos, muito importante para a prevenção de lesões de posterior de coxa, é o exercício nórdico. O exercício nórdico é, como pode ser visto em detalhes aqui, um treino que utiliza-se do próprio peso corporal do atleta ao realizar os exercícios. Para a posterior de coxa, as flexões nórdicas são muito utilizadas. Ela consegue trabalhar bem no fortalecimento da musculatura dos isquiotibiais.

Apesar de existirem equipamentos que auxiliem nos exercícios nórdicos, é possível trabalhar com esse tipo de técnica sem necessitar de um equipamento. A diferença vai ser na quantificação de força.

Flexão Nórdica: execução padrão do exercício
Flexão Nórdica: execução padrão do exercício

O E-lastic também é uma ferramenta muito aliada na prevenção. Além de possuir uma cartela muito grande de protocolos, ser possível realizar exercícios com elásticos e simular flexões nórdicas (veja o vídeo abaixo), o grande diferencial do E-lastic é a quantificação de força. Isso se dá porque o E-lastic é um dinamômetro ligado a um aplicativo que gera relatórios de quantidade e evolução da força.

Ou seja, é possível realizar avaliações que identifiquem a capacidade máxima da musculatura do atleta. Assim, pode-se trabalhar na redução de assimetrias e no fortalecimento da região. Com preços acessíveis, o E-lastic possui planos a partir de R$99,00. 

O E-lastic em ação

Um dos cases da tecnologia E-lastic para a redução de riscos em lesões de posterior de coxa, é o do velejador, Antonio Bonito. Em março, o atleta recorreu ao fisioterapeuta David Lima com queixas de dor na musculatura posterior de coxa. Antonio inicialmente, tinha dificuldades até mesmo de realizar a avaliação com o E-lastic devido a quantidade de dor excessiva.

A avaliação

A partir da avaliação, foi possível identificar uma assimetria de quase 10 quilos. Entre a musculatura direta e esquerda no exercício de flexão de joelho. O lado direito marcava uma força média de 13,8kg enquanto a esquerda, 21,4kg.

Relatório E-lastic do Atleta Antonio Bonito
Relatório E-lastic do Atleta Antonio Bonito

Sabe se que o posterior é coxa é muito exigido na vela. Isso porque ele fica em contato direto com equipamento. O fisio David Lima ainda reitera: “existem manobras como a que a gente chama de borda, que você faz força com o posterior de coxa quase o tempo todo por causa da mudança de direção do vento”.

Com a quantificação de força, o fisioterapeuta conseguiu acompanhar a evolução da lesão de forma precisa. Além de prescrever exercícios mais eficientes. Evitar sobrecarga de outras musculaturas. E, melhorar o desempenho do atleta. Tudo isso a partir do E-lastic.

Ficou alguma dúvida? Fale conosco no formulário abaixo ou Assine Já!