Escolha uma Página

As lesões nos músculos isquiotibiais (IT) são as mais comuns no esporte, principalmente o futebol. E representam um longo tempo de reabilitação e o pior: com grandes taxas de reincidências. Fisioterapeutas estão sempre a procura de técnicas que os ajudem a prevenir lesões nos músculos isquiotibiais.

Os isquiotibiais são mais exigidos por atletas que utilizam predominantemente os membros inferiores para execução de suas modalidades, como corredores e jogadores de futebol, por exemplo. E por consequência disso as lesões de isquiotibiais são mais comuns nos atletas, sendo que 37% dessa lesão é correlacionada com o futebol, o esporte mais popular do mundo.

As lesões nos músculos isquiotibiais são causadas por estiramentos nos músculos posteriores e, neste artigo, iremos mostrar quais fatores levam uma pessoa a este tipo de lesão e como os pacientes podem ser recuperados. 

Ou melhor: como é possível antecipar e prevenir lesões nos músculos do posterior da coxa. Quer saber mais? Então leia este artigo até o final.

O que são os músculos isquiotibiais?

Os Isquiotibiais são um grupo de músculos localizados na parte posterior da coxa com papel fundamental para a realização do deslocamento para frente e para trás. Esses músculos são responsáveis pelo movimento de extensão do quadril e, principalmente, flexão do joelho.

Os isquiotibiais são formados pelos músculos semitendíneo (ST), semimembranoso (SM) e pelo bíceps femoral (BF).

Representação gráfica dos músculos isquiotibiais no posterior da coxa.

Estes três músculos se originam no ísquio como um tendão comum, passam pelas articulações do quadril e joelho, são denominados de biarticulares e possuem sua inserção na tíbia. (ERMUND e VIEIRA, 2017).

Em um estudo anatômico sobre isquiotibiais, Van der Made e colaboradores  descreveram que a tuberosidade isquiática – região onde os três músculos se originam – é dividida em duas regiões: a superior e a inferior.

Desta forma, esses músculos estão diretamente relacionados aos movimentos cíclicos como a caminhada, corrida e esportes coletivos. E por esses grupos de pessoas estarem sempre em movimento, as chances de se lesionarem são maiores.

Como ocorrem as lesões nos isquiotibiais

As lesões podem ser diretas ou indiretas, sendo a primeira (e menos frequente) causada por fatores extrínsecos, como uma dividida de bola mais forte, por exemplo. Já a segunda é causa por fatores intrínsecos e ocorre quando os músculos sofrem uma contração excêntrica.

Nota: Uma contração excêntrica é ação muscular em que as fibras são alongadas, em decorrência de uma força externa, e contraem-se ao mesmo tempo para desacelerar o movimento.

Nem todas as lesões são iguais, pois elas variam desde um leve dano muscular até a ruptura completa das fibras musculares. Na prática clínica é utilizado um sistema de três graus:

  1. Dano menor;
  2. Dano moderado;
  3. Dano completo do músculo.

Independente das distensões ou rupturas, as lesões nos isquiotibiais são mais comuns proximalmente do que distalmente, segundo artigo, o bíceps femoral é o músculo mais frequentemente lesionado e, apesar de não haver um consenso definido, o semimembranoso é o segundo mais lesionado.

Segundo Askling e colaboradores, há dois tipos de lesão agudas. A primeira está relacionada com movimentos de alta velocidade, ou seja, explosivos, envolvendo um maior recrutamento do bíceps femoral. 

A segunda está relacionada com o alongamento excessivo dos isquiotibiais em movimentos como o chute no futebol e agrediria mais o músculo semimembranoso.

Como saber se o paciente sofreu uma lesão de isquiotibiais?

Os sinais e sintomas podem variar de pessoa pra pessoa, mas poderá ocorrer situações como:

  • Dores ao flexionar o joelho;
  • Dores ao sentar-se
  • Dor ao iniciar uma corrida ou caminhada
  • Sensação de fadiga muscular
  • Limitação da amplitude de extensão do quadril

Ermund e Vieira, afirmam que na fase aguda, o hematoma ou a equimose na região posterior da coxa, a dor ao tocar a região dos ísquios e a fraqueza muscular são os sinais clínicos mais encontrados.

E que normalmente o volume do hematoma está correlacionado com a gravidade da lesão, mas sua ausência não pode ser confundida com uma lesão menor, já que esse sinal pode ser tardio mesmo nas lesões mais graves.

Fatores de riscos

Já existem estudos que buscam identificar os fatores de risco para a lesão dos isquiotibiais. E, por mais incrível que possa parecer, as características próprias dos músculos desempenham um importante fator de risco para as lesões.

O desequilíbrio muscular dos isquiotibiais é definido pela diferença de força da musculatura quando comparada contralateralmente ou  uma alteração entre a proporção de força dos isquiotibiais com relação ao quadríceps ipsilateral.

O risco de lesão é maior quando o déficit de força entre os isquiotibiais é >10-15% ou a proporção de força entre os isquiotibiais e o quadríceps é <0,6. Entretanto, esses valores podem variar de acordo com cada atleta e esporte. (ERMUND e Vieira, 2017)

Continue a leitura deste artigo para descobrir como você pode saber a relação de força dos isquiotibiais de pacientes.

Como tratar uma lesão nos isquiotibiais

Antes de encontrar maneiras de tratar uma lesão nos músculos isquiotibiais, é importante entender o que a literatura já tem de estudos a respeito do tempo médio de recuperação de cada tipo de paciente.

Segundo o artigo “Lesões dos isquiotibiais”, os autores afirmam que “após a lesão, corredores têm uma média de 16 semanas para retornar ao esporte sem restrições. […] No futebol profissional, o atleta fica, em média, 14 dias fora das atividades competitivas. Em geral, a lesão dos isquiotibiais é a principal causo do afastamento do esporte”.

Para Barnett e colaboradores, a maioria das lesões dos isquiotibiais representa distensões musculares ou lesões parciais no nível da junção miotendínea que podem ser manejadas de forma conservadora e geralmente têm como resultado a recuperação total.

O tratamento dos isquiotibiais irá variar de acordo com a gravidade e o grau de intensidade da lesão. Na fase inicial o objetivo do tratamento é diminuir o sangramento intramuscular e controlar a resposta inflamatória. Nesta fase usa-se analgésicos, repouso, compressas de gelo e elevação do membro.

Na fase mais aguda, o quadro de dor influencia na avaliação clínica do paciente. Após 48 horas, estima-se que a limitação aguda da dor já diminuiu e o resultado do exame físico possa ser mais relevante tanto para diagnóstico, quanto para prognóstico.

Portanto, segundo Ermund e Vieira, é indicada a avaliação específica dentro de dois dias após a lesão.

Em qualquer dos graus de danos aos músculos, é primordial que o paciente esteja em repouso para que assim as fibras danificadas possam se curar com o auxílio das demais recomendações que o fisioterapeuta passar.

Ao longo da recuperação será necessário a execução de exercícios para o fortalecimento dos isquiotibiais. Um dos exercícios mais recomendados por fisioterapeutas é a Flexão Nórdica. Você pode ver a forma correta de sua execução no vídeo abaixo.

Vídeo mostrando a execução correta do Exercício Nórdico

Descobrindo a diferença de força entre os Isquiotibiais e o Quadríceps em poucos segundos.

É fácil deduzir que uma lesão muscular, seja ela qual for, traz grandes complicações a quem a sofre, principalmente em atletas. Portanto, a prevenção da lesão de isquiotibiais ainda é melhor do que o processo de tratamento e reabilitação, concorda?

Relação Isquiotibiais/Quadríceps (I/Q) em poucos segundos

Como dito antes, o risco de uma lesão é maior quando o déficit de força entre os isquiotibiais é >10-15%. Mas como saber a diferença de força entre os benditos músculos?

Eu tenho uma boa notícia para você: com a tecnologia certa você consegue encontrar essa resposta em poucos segundos!

E essa tecnologia se chama E-lastic, um plataforma completa de mensuração e qualificação da força muscular que auxilia fisioterapeutas a avaliarem força baseados em evidência. Com um aplicativo de celular sincronizado a um dinamômetro isométrico, o profissional consegue ter informações precisas e em tempo real sobre a força do seu paciente.

Dentre as funcionalidades do E-lastic, está o cálculo automático para encontrar a Relação I/Q. Após o fisioterapeuta avaliar a força de extensão e flexão do joelho, o app armazena os dados no perfil do paciente e já realiza o cálculo para informar se ele tem déficits de força.

Exemplos dos relatórios emitidos no app E-lastic

Pra que fazer o trabalho chato sendo que um software pode isso em poucos segundos?

Além dessa funcionalidade, o E-lastic gera relatórios de assimetria, evolução, força/tempo e muito mais! avaliar os pacientes e prevenir que lesões aconteçam. Tudo para poupar o tempo do fisioterapeuta e evitar desgaste físico do paciente com o surgimento de lesões..

Toda essa tecnologia pode ser sua se você assinar o E-lastic.

Se você quiser saber mais detalhes sobre o protocolo de Relação I/Q e outras diversas funções que o E-lastic é capaz, fale agora mesmo com um de nossos consultores.

Com o E-lastic você poderá dar prognósticos baseados em dados. Não em achismos.