Avaliação da força muscular: o que você precisa saber | E-lastic
Escolha uma Página

A avaliação da força muscular é fundamental para prevenir e recuperar pacientes de lesões, sendo muito utilizada na prática fisioterapêutica com inúmeros objetivos.

Dentre esses objetivos, podemos citar: prevenir lesões, identificar assimetrias, desequilíbrios musculares, teste de força palmar, a força máxima, etc.

Você quer saber mais detalhes sobre avaliação da força muscular e a sua importância para a saúde dos indivíduos? Continue a leitura deste artigo até o final.

O que é avaliação da força muscular?

Avaliação da força muscular é um conjunto de métodos utilizados para avaliar, identificar e melhorar músculos ou grupos musculares do paciente.

Segundo Kendall et al (1995), a avaliação da força muscular é uma parte integrante do exame físico. Ela proporciona informações indispensáveis para um diagnóstico, prognóstico e tratamento de distúrbios neuromusculares.

Essa técnica, como veremos mais adiante, pode ser utilizada de maneiras diferentes. Mas antes de explicar detalhadamente o que é a avaliação da força, preciso contextualizar o que é a força muscular.

A força muscular

A força muscular é a quantidade de tensão que um músculo ou grupamento muscular pode suportar. Desenvolvê-la ajuda a construir músculos e ossos fortes e saudáveis.

Além disso, a força muscular ajuda a manter um peso corporal saudável, queimando calorias e melhorando a composição corporal. Isto gera mais estabilidade, equilíbrio e flexibilidade – o que ajuda a reduzir a probabilidade de lesões.

Importante frisar que a força muscular pode ser tanto estática quanto dinâmica, conforme explicado por Eduardo Santos. Dentre os tipos de força muscular, podemos citar:

  • Força Máxima ou pura: é a capacidade que um músculo tem em realizar máximas tensões.
  • Força rápida ou explosiva: é a capacidade do sistema neuromuscular de movimentar o corpo ou parte dele com uma velocidade máxima.
  • Força de resistência: é a capacidade de resistir à fadiga por um tempo prolongado.

Alguns fatores como sexo, idade, aptidão física, etc diferenciam a capacidade muscular de cada pessoa. Então alguns estudos já buscaram padronizar a melhor maneira de avaliar a força para diferentes faixas da população.

Isto é, um atleta não será avaliado sobre os mesmos parâmetros que um idoso, por exemplo. Cada caso tem sua particularidade e não se pode utilizar a mesma régua para todos.

Explicado o que é a avaliação de força, talvez você esteja se perguntando o porquê precisa oferecer esse serviço. No próximo tópico vou te contar um pouco mais sobre a importância da avaliação da força muscular.

Qual a importância de avaliar a força muscular?

Para se ter sucesso em um tratamento de fisioterapia, um ponto bastante importante é a avaliação do paciente – seja ele atleta ou não.

É necessário saber, por exemplo, a causa de uma lesão e não somente tratar a dor. Em outras palavras: é importante prevenir, antes de ser necessário reabilitar.

Para prevenir é utilizado o recurso da avaliação da força muscular, já que com ele é possível identificar a força do grupamento muscular e comparar com o contralateral, por exemplo. Sendo possível saber se aquele músculo tem predisposição à lesão.

Além disso, a avaliação da força muscular pode fornecer critérios de alta hospitalar para pacientes operados ou até mesmo o retorno ao esporte – uma vez que lesões em esportes de alta intensidade, como o futebol, são muito comuns.

Para avaliar a força muscular existem muitas técnicas e cada uma com suas particularidades. Há métodos objetivos e há aqueles subjetivos, cada um fornece um nível de informação específico ao avaliador.

No próximo tópico irei contar a você sobre os métodos utilizados para avaliação da força.

Quais os métodos utilizados para avaliação da força muscular?

A avaliação da força muscular pode ser realizada a partir de métodos que utilizem diferentes maneiras de contração: isométrica, isocinética e isotônica.

Dentre esses métodos de avaliação encontram-se as avaliações manuais, avaliações com instrumentos (dinamômetros isocinéticos ou isométricos). A seguir vamos falar mais sobre cada um.

Avaliação manual com a Escala MRC

Conhecida e difundida mundialmente por fisioterapeutas, a escala de avaliação da força muscular MRC foi desenvolvida pelo Medical Research of The United Kinkdom.

A escala MRC gradua a força muscular em cinco níveis, sendo 0 quando o paciente não percebe nenhuma contração muscular e 5 onde ele é capaz de aplicar força contra a gravidade normalmente.

Por mais que seja utilizada de forma universal, esta escala tem algo, no mínimo, peculiar: a subjetividade. Pois a força pode ser interpretada de uma forma, mas se fosse mensurada com ferramentas específicas se veria a potência real no momento.

Avaliação de força com dinamômetros

Outra maneira bastante difundida para avaliação da força muscular é com a utilização de dinamômetros, aparelho que é utilizado para medir a intensidade da força.

Os dinamômetros podem ser isocinéticos e isométricos. Sendo o primeiro capaz de definir deficiências de força, potência e resistência de um músculo ou grupamento. 

O segundo tem função bastante parecida, a diferença é que ele costuma ser portátil e tem mais variações de utilização. Por exemplo, há dinamômetros isométricos de preensão manual, de compressão e de tração.

O dinamômetro manual fornece resultados confiáveis e reproduzíveis quando utilizado para avaliação de grupos musculares que produzem pouca ou moderada quantidade de força.

Se quiser saber mais detalhadamente sobre dinamômetros, clique aqui.

Ambos dinamômetros conseguem captar dados fiéis sobre a capacidade muscular do paciente e com essas informações o fisioterapeuta ou avaliador pode tomar decisões baseados em evidências.

Avaliação da força muscular com E-lastic

Como você viu, na avaliação da força os fisioterapeutas podem contar com o método subjetivo e o objetivo para tratar seus pacientes. 

Estamos na era da saúde 4.0 e optar pelo método subjetivo é manter hábitos de duas ou três décadas atrás, sendo que temos à disposição tecnologias de ponta e acessíveis.

Aqueles fisioterapeutas que estão dispostos a inovar, conseguirão sair a frente de seus concorrentes e oferecerão serviços que os diferenciam. Avaliar a força não deve ser feito no achismo, já que o tratamento correto evita lesões e ajuda a retornar à rotina no momento certo – evitando recidivas.

Se você faz parte do grupo de profissionais que querem aliar tecnologia e à avaliação da força muscular, você precisa conhecer o E-lastic. Um serviço de assinatura que permite avaliar a força através de um dinamômetro isométrico.

Com um aplicativo de celular exclusivo conectado a seu dinamômetro, o E-lastic entrega informações prontas e otimiza o tempo do fisioterapeuta. Fazendo com que ele possa, além de avaliar com mais precisão, não depender da subjetividade.

São diversas funcionalidades exclusivas testadas e aprovadas por mais de 800 clientes espalhados pelo Brasil e América Latina. Se você quer saber mais detalhes sobre o E-lastic, fale agora com um de nossos consultores.