Escolha uma Página

Quando falamos da atuação do fisioterapeuta frente a lesões musculares de jogadores de futebol, já lembramos da parte mais complicada que é o tratamento a longo prazo, reconstrução de ligamentos ou coisa do tipo. Mas há uma etapa anterior a tudo isso e que vem ganhando espaço e importância dentro da fisioterapia esportiva.

A prevenção de lesões no futebol é uma especialidade que vem crescendo e ganhando a atenção dos fisioterapeutas que trabalham ligados ao futebol. Sendo fisioterapeuta em clube esportivo ou em clínica própria, encontrar um profissional capaz de predizer lesões é um item cada vez mais requisitado pelos atletas.

No artigo de hoje nós iremos abordar como o fisioterapeuta pode atuar frente a lesões musculares de jogadores de futebol, buscando não só tratar quando a patologia já aconteceu, mas também evitá-las.

Lesões musculares mais comuns em jogadores de futebol

O futebol é o esporte mais popular do mundo sendo praticado por quase 400 milhões de pessoas, das mais diversas faixas etárias, raças e culturas. Desse total, só no Brasil há mais de 30 milhões.

De acordo com a Federação Internacional de Futebol (FIFA) há, aproximadamente, mais de 200 milhões de atletas licenciados pela federação em todo o mundo. São números grandes de um esporte caracterizado pelo contato físico, movimentos curtos, rápidos e não contínuos, como aceleração, desaceleração, mudanças de direção, saltos, etc. (SILVA et al, 2005)

Por esses motivos é também um esporte que apresenta um alto número de lesões musculares, sendo o esporte com o maior número de lesões no mundo. É estimado que de 3,5% a 10% dos traumas físicos tratados em hospitais europeus são causados pelo futebol.

E das lesões que ocorrem no esporte, quais são as mais comuns e que demandam atenção dos fisioterapeutas?

Primeiro é importante entender que as lesões no futebol são divididas entre lesões agudas ou crônicas. Em que as lesões agudas são caracterizadas com algum dano a um tecido, órgão ou articulação. Já as lesões crônicas originam-se de uma evolução cumulativa, isto é, quando uma estrutura é exposta à ação repetitiva ao longo do tempo.

É possível afirmar, com base no grande número de achados na literatura, que a lesão de ligamento cruzado anterior (LCA) e lesões nos isquiotibiais (posterior da coxa) são duas das principais lesões no futebol. Elas podem afastar o atleta por meses do esporte e fazer com que o fisioterapeuta tenha que desenvolver programas ou protocolos ideias de reabilitação.

Mas, o ideal mesmo, está sendo encontrar técnicas para prevenção dessas lesões. Identificando déficits de força entre os músculos e trabalhando a região enfraquecida. E por que isso é tem sido tão importante?

Benefícios da prevenção de lesão

A fisioterapia é uma profissão nova com apenas 50 anos de regulamentação, mas a cada ano que passa vem mostrando seu valor e se tornando indispensável com enfoque preventivo.

Na área esportiva, muito além de tratar e reabilitar o atleta, o fisioterapeuta tem um papel importante na implementação de medidas preventivas no sentido de evitar lesões e, consequentemente, o afastamento do jogador do futebol.

E quando o fisioterapeuta tem sucesso na implementação de programas de prevenção, ganha não somente o jogador, mas a equipe como um todo. Já que um jogador lesionado pode trazer prejuízos financeiros e competitivos à equipe.

A prevenção de lesão no futebol, inclusive, tem esse grande benefício: reduzir o impacto financeiro nos clubes.

Há na literatura diversos estudos que buscaram levantar os prejuízos financeiros que as lesões de jogadores de futebol geram aos clubes. Um desses é bem recente, foi publicado em abril de 2020, analisou dados de cinco temporadas da Premier League, a primeira divisão da Inglaterra, para estimar o efeito das lesões no desempenho dos times da liga e os impactos financeiros sofridos.

Os autores do estudo estimam que uma equipe média da Premier League perdeu aproximadamente £ 45 milhões por temporada devido a lesões. A estimativa é baseada na avaliação do fracasso da equipe na tabela do campeonato (£ 36 milhões) e em um cálculo direto de salários pagos a jogadores lesionados (£ 9 milhões).

Então, logo se percebe que os programas de prevenção de lesões musculares no futebol são importantes para a saúde do atleta, mas também para a saúde financeira dos clubes.

Os times de futebol e seus departamentos médicos estão cada vez mais procurando maneiras de prevenir lesões de seus jogadores, pois sabem da importância de ter o elenco totalmente disponível durante toda a temporada.

Protocolos para prevenção de lesões

Ser capaz de prevenir lesão é inspirador e tudo mais, só que isso não quer dizer que seja algo fácil. Porém, não chega a ser algo de outro mundo e com a ajuda de estudos e tecnologias corretas, o fisioterapeuta pode desenvolver protocolos específicos para a prevenção de lesão.

Há um bom desafio para a etapa de planejar programas ou protocolos de predição de lesões, afinal, o fisioterapeuta precisa ter uma boa base teórica e prática para desenvolver o protocolo ideal.

Contudo, é preciso que o fisioterapeuta entenda que há várias intervenções diferentes que podem ser usadas para prevenção de lesões da mesma maneira. E vai de caso a caso definir o protocolo mais indicado para determinado tipo de lesão.

Mas anime-se. Vivemos numa era única na história em que com poucos cliques podemos encontrar inúmeros artigos e publicações científicas que nos ajude a entender mais sobre determinado tema e a realizar tratamentos baseados em evidências.

Hoje temos acesso a plataformas como o PEDro ou o PubMed, por exemplo, que contam com milhares de publicações de profissionais de todo o mundo, inclusive do Brasil.

Se você não costuma visitar essas plataformas, comece agora mesmo. Basear suas práticas em evidências é garantir que o atleta está recebendo o melhor tratamento e que há um motivo validado para o fisioterapeuta evitar futuras lesões.

Prevenção lesões de jogadores com o E-lastic

Por falar em prática fisioterapêutica baseada em evidências, deixe-me falar do E-lastic. Um serviço completo para mensuração da força muscular que auxilia fisioterapeutas a identificarem déficits de força, acompanhamento pós-cirúrgico e outras funcionalidades, por exemplo.

Nos próximos parágrafos vou mostrar como o E-lastic ajuda na prevenção de lesões musculares de jogadores de futebol e dão aos fisioterapeutas mais dados na avaliação da força muscular.

Uma maneira prática de prevenir lesão é identificando músculos com força aquém do normal. Para isso, o fisioterapeuta pode realizar a medição da força máxima da musculatura do atleta, algo que por muito tempo foi subjetivo, mas hoje há tecnologias que dão essas informações de maneira precisa ao profissional.

Com o E-lastic, isso é feito de maneira simples: o dinamômetro é acoplado a uma superfície fixa e a outra extremidade é fixada no membro aferido do paciente, como pode ver neste post.

Após a medição, o app salva as informações para análise do fisioterapeuta. Essas informações são bastante úteis para identificar se há assimetria de força entre os músculos, no caso do exemplo, o posterior e o anterior da coxa.

De maneira automatizada, a tecnologia E-lastic calcula a diferença de força entre os músculos para descobrir se há assimetria. Mostrando que se a diferença é maior do que 10% a assimetria de força existe e a região fraca deve ser fortalecida, caso contrário uma lesão pode ocorrer.

Essas informações podem ser vistas pelo relatório individualizado do paciente, como na imagem abaixo.

Print do Relatório de Assimetria emitido no app E-lastic

Desta forma, com acesso à informação de força para basear suas decisões em evidências, o fisioterapeuta pode estabelecer protocolos ideias para a prevenção de lesão em atletas de futebol.

Esses protocolos podem, inclusive, serem adicionados ao app de maneira bem simples.

É fisioterapeuta e avalia força? Fale com um de nossos consultores agora mesmo para assinar o E-lastic e utilizar essa ferramenta Padrão Ouro em seus atendimentos. 

Já são mais de 900 fisioterapeutas e educadores físicos de todo o Brasil que confiam suas avaliações na tecnologia 100% nacional do E-lastic.

Gostou do artigo? Fique à vontade para compartilhá-lo em suas redes sociais.